Páginas

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Agora entendo

Agora entendo tua indiferença
e em teu rosto essa sempre presente inexpressão
a incapacidade de demonstrar gratidão
e por isso nunca te ví chorar
Quem me dera poder te dar um coração
assim saberia de uma vez por todas
o que é gostar
Poderia colocar em teu rosto um sorriso
um calor no teu abraço
uma lágrima pra molhar teu olhar
esse teu olhar que não diz nada a ninguém!
Agora entendo tua indiferença
Só agora vejo que tú és inanimado!

                  Manoel Augusto