Páginas

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Paz de coração


Caminho, como quem caminha sobre a água.
Tenho a leveza de uma gota da chuva!
Os meu passos, não deixo marcas no chão
O que necessito agora e sempre,
é a aquela escrita no muro de minhas lamentações:
Deixem-me em paz, eu quero é a paz,
aquela paz que vem do coração!

Eu não tenho pressa,
a vida já é apressada demais.
Eu dispenso a dúvida,
é preciso fé para acreditar que haverá um novo amanhã.
E que amanhã demore, demore o tempo que ele quiser,
eu não estou com pressa e minha esperança jamais será vã,
e que eu tenha sempre a leveza de uma gota de chuva
um espírito livre e uma mente sã!

              Manoel Augusto