Páginas

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

E chovia poesia

Chovia naquele instante
e toda gente parava para ver aquela chuva que caia
Porque choviam letras
que ao repicarem no chão
faziam um delicado som  e formavam
lindas palavras de esperança e calor!
que aqueciam os corações de todos alí
hipnotizados
por aquele momento inusitado.
Jamais havia chovido assim
Jamais se tinha ouvido um som assim
jamais pensei em ver tantas palavras assim,
bonitas e escritas ao sabor da chuva
aquela estranha e singela chuva
em forma, em graça e cor
de poesia.
E quanto mais chovia
mais daquela chuva a gente queria!

                           Manoel Augusto