Páginas

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Eu não vou a lugar algum

Eu sou como uma árvore
as minhas raízes se espalham pelo chão
eu não vou a lugar algum!
Aqui, ao vento, vejo o tempo passar.
Vejo o mundo a se transformar
Sinto a mudança de estação
Mudam-se os ramos, as folhas, a coloração.
mas enfim,
eu não vou a lugar algum.
Ouço o som das estrelas
acompanho o seu caminhar
O sol se põe e a lua vem em seu lugar
e daí
eu não vou a lugar algum.

              Manoel Augusto