Páginas

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Um trovador


Eu sou um trovador
nesses tempos difíceis e esses dias repletos
de gestos e gritos e falta de amor
E se nos falta alegria
como fazer poesia nesse cenário concreto
tingido de sangue e de ausência de afeto
e onde o mais inocente é o objeto direto
dessa loucura indecente
e pra ser coerente hoje em dia quando penso uma rima
ela rima com dor.

E eu sou um trovador
trovador em um tempo de caos
e veja só que loucura
querer falar de doçura
quando tudo em volta nos remete ao que mal.
E se hoje ser mal é bonito
como posso dizer que acredito
nesse mundo que habito
que se tornou abissal.

Um trovador do tempo do fim é o que eu sou
que precisa falar que ainda há esperança
e que escrever poesia pode ajudar na mudança
e essa maldade vai ser mera lembrança
a vida vai ser aquela criança
brincando pra sempre no nosso quintal.

              Manoel Augusto