Páginas

domingo, 11 de setembro de 2016

Era meu inimigo?


Um soldado voltando da guerra
de volta a sua gente, sua nação e sua terra
Se sente aliviado de estar em casa de novo
mas agora seu corpo cansado e sua alma ferida
não consegue esquecer
mas também não consegue lembrar
porque tivera de atacar e matar
aquelas pessoas
e não tinha como explicar se ele nem conhecia
e nem podia sentir raiva daquele povo.

Quando viu sua família, sua mulher e seus filhos
sentiu vontade de chorar,
de saudade, a que trazia no peito,
mas chorou ao lembrar que os soldados inimigos que matou
pra suas famílias não poderiam mais voltar.
quantas crianças por causa da guerra
não teriam mais um pai pra abraçar.

Queria não se sentir culpado
mas se culpou,
não fora ele quem aquela guerra infeliz decretou
mas a existência e a realidade dela
foi ele quem optou
e aceitou aquela missão
não sabe dizer direito porque tomou aquela decisão.
Sua vida perdeu o sentido
e por causa daquele horror que havia cometido
estava mais morto que vivo
estava em casa mas se sentia perdido
e pensou se não teria sido melhor
lá no meio do fogo cruzado ter sido alvejado e morrido
seria agora um heroi e jamais seria esquecido
pois o que mais lhe destroça a alma
uma lembrança que não consegue apagar é de ter ouvido
aqueles gritos de dor e ter matado alguém
que ele nem sabe ao certo se era mesmo seu inimigo.

           Manoel Augusto