Páginas

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

O valor das coisas insignificantes pra você


Imagine que seu mundo é um deserto pós-apocalíptico.
Todo o dinheiro do mundo é seu.
Mas, não há nada, nada mesmo, só o vazio.
Quanto você daria para ter uma plantinha viva?
Um pé de mato qualquer.
Algo verde pra alegrar sua existência.
E uma gota de orvalho?
Quanto  você pagaria para sentí-la em seu braço?
Uma abelha, uma flor, um raio de sol,
uma brisa batendo em seu rosto.
Sim, quanto você pagaria para ver um último por do sol?
Não há mais nada. Não há sons.
E assim sendo,
quanto valeria o canto de um pássaro qualquer?
Só pra você se lembrar como eles cantavam
quando o dia ía amanhecer!
E uma lua prateada, brilhando no céu?
Cheia, nascente, crescente, minguante.
Quantas milhares e milhares de notas valeria?
Você está só.
Gostaria de ver por uma última vez 
o sorriso de uma criança,
Passar por você e sorrir.
Só isso! Uma última vez!
Qual o valor das coisas pra você!

                Manoel Augusto