Páginas

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Um Pássaro

Um Pássaro passou voando por mim,
e levou com ele minha vontade de ir também.
Em suas asas ergueu meus sonhos aos céus,
Bem lá nas alturas, as que não me pertecem!
Um Pássaro passou voando e olhou pra mim,
e com esse olhar arrancou do meu peito
toda a dor,
a dor de não saber voar!
O que me prende ao chão, talvez não
seja a ausência de asas,
mas o peso que carrego na alma,
de não ter a inocência daquele olhar,
de não saber a leveza daquele ser.
Um Pássaro passou voando por mim,
e aquilo me fez acordar,
e mostrou-me toda imposta limitação
natural em ficar,
a de não ir, não fazer, só olhar.
                                                              Mas, me disse antes de perder-se
                                                              no horizonte sem fim: Ao invés,
                                                              sê feliz,
                                                              mesmo sendo como és!
                                                                                     Manoel Augusto